sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

O amor entre homens e cães



INOCÊNCIA, FRAGILIDADE, DEPENDÊNCIA, TERNURA, BRINCADEIRA, PUREZA, SABEDORIA
"Os cães são o nosso elo com o paraíso. Eles não conhecem a maldade, a inveja ou o descontentamento. Sentar-se com um cão ao pé de uma colina numa linda tarde é voltar ao Éden, onde ficar sem fazer nada não era tédio, era paz." Milan Kundera
É muito difícil falar sobre amor sem entrar numa área um pouco filosófica. O ser humano há milênios tem uma relação estreita de amizade e fidelidade com os cães. Vou procurar fazer uma pequena análise do amor que o homem sente pelo cão, já que as abordagens sobre o amor que os animais dedicam aos humanos são mais freqüentes. Vamos partir do princípio que, ao nascermos, somos uma folha em branco a ser preenchida pela nossa relação com nossos pais, irmão, amigos, professores, por todos, enfim, que fazem parte da nossa vida.
A sensação que um bebê, que pouco ainda tem de si desenhado nessa folha branca, apresenta diante de um bichinho, um cão, um gato, é positiva em noventa por cento dos casos. Quem já teve a oportunidade de observar com atenção uma cena dessas sabe como o bebê fica feliz, extasiado de ver um animal. São suas primeiras sensações positivas diante de um ser de uma espécie diferente da dele. Mesmo aqueles bebês que manifestam algum sinal de medo do animal, assim que são postos num lugar seguro para dali olharem os cães, sentem um grande prazer em ver os bichinhos pularem, correrem, brincarem. Só esse contato entre um animal e um bebê, que se encontra num estágio de vida muito mais sensorial do que racional, já nos permite perceber quantas afinidades existem entre nós e os cães.
Depois crescemos um pouquinho e aí vem aquela fase em que nossa imaginação fica a mil. Então a boneca é a nossa filhinha, e o amigo imaginário nos obedece, briga conosco, fica de mal como se existisse de verdade, e o nosso cãozinho se transforma no nosso mais querido brinquedo. Podemos colocá-lo de castigo, dizer o que ele pode e o que não pode fazer, somos soberanos em relação a esses inocentes, mas também começamos a amá-los de forma intensa. E enquanto exigimos deles total obediência a nossas tiranias, eles permanecem do nosso lado – com a paciência de um ser iluminado e desenvolvido espiritualmente. Parece que eles entendem o quanto é importante para o desenvolvimento de uma criança ela poder mandar neles, ela poder ser uma pequena ditadora. Para eles não importa, pois sabem que são amados e respeitam a criança sabiamente.
E aí vem a adolescência. Embora ainda muito amados, os cães são deixados um pouco de lado por seu dono adolescente, pois os adolescentes podem tudo, só não podem perder tempo. Quando estão em casa, não param de falar ao telefone. A sorte, para o cão, é que os adolescentes, para isso, se refugiam em seu próprio
quarto, e nessa os cães são experts em entrar sorrateiramente na grande ala que é proibida para os outros integrantes da casa. Está certo que o cão de um adolescente fica esquecido nessa fase da vida do jovem, trocado pelos namoros e pelas paixões passageiras, pelas saídas constantes e por interesses mais consumistas. Mas um cão é paciente e compreensivo. Não importa quanto tempo demore essa fase, ele estará sempre lá, alegre quando seu dono chegar, extremamente feliz quando receber uma carícia mesmo que rápida, sem sentir rancor nem mágoa por não ser mais o centro das atenções de seu jovem dono. Simplesmente porque ele sabe, como nenhum outro ser, amar incondicionalmente.
E então nós nos tornamos adultos. Adultos estressados. Trabalhamos feito loucos, comemos mal, enfrentamos o trânsito. Ah, o trânsito... O que não teria escrito Danthe se vivesse o inferno do trânsito? As contas, as responsabilidades. Trabalhamos incessantemente durante a semana para termos dois dias de descanso, isto é, na verdade um dia, pois aos sábados temos que ir ao supermercado, ao shopping, mandar lavar o carro, nos dedicar aos filhos muito mais. Como conseguimos sobreviver nesse caos? Entre outros motivos, com a ajuda de um ser que é pura INOCÊNCIA, FRAGILIDADE, DEPENDÊNCIA, TERNURA, PUREZA, SABEDORIA: o cão. Características suficientes para amarmos um cão, não?
Mas ainda há mais: as lembranças boas que temos dos nossos cães, adormecidas na infância, nos aquecem o coração. Mesmo aquelas pessoas que não puderam ter um cão na infância voltam a ser um pouco crianças ao verem um bichinho com olhar tão meigo, inocente e frágil como é o olhar de um cão. Impossível não lembrar de uma boneca preferida ou de um ursinho querido.
Nós amamos os cães porque só os animais tão próximos de nós como os cães parecem enxergar a bondade que se esconde em todo ser humano. Qualquer pessoa tem seu lado bom, seja a nossa vizinha mal-encarada que não dá bom-dia pra ninguém, mas que, a gente sabe, trata seu próprio cão a pão-de-ló; seja um homem capaz de matar outro homem, mas incapaz de maltratar seu cão de estimação.
Um cão tem a capacidade de amar o que somos, amar nossa alma. Você pode ser um anão, um deficiente, um hexacampeão de Fórmula 1 (aliás, o Schumacher adotou um vira-lata brasileiro, que encontrou vagando pelo autódromo de Interlagos); se você tiver um cão, pode estar certo: ele amará você. Para um cão, não importa se você é uma freira, uma prostituta, o presidente do país ou um mendigo. Ele também não está interessado na sua profissão, na sua cor, nas suas preferências sexuais, se você é carteiro, bombeiro, médico, lixeiro, entregador de pizza, empresário.
Amamos um cão porque somos amados por ele. Amamos um cão porque muitas vezes conseguimos nos comunicar melhor com eles do que com os humanos que estão ao nosso lado. Amamos um cão porque eles são inocentemente egoístas.
Nos querem só para si, e não escondem seus desejos. O ossinho é só dele, o brinquedo é só dele, a casinha é só dele. E pronto. Simples assim. Tudo é simples em um cão. Até seus defeitos são tão escancarados, são tão descaradamente sinceros, que fica muito difícil não acharmos virtudes neles.

5 comentários:

Sheila disse...

Não consegui ler o texto todo, mas prometo ler com calma no final de semana...
um beijo, amiga.
fica com Deus.

Daniela disse...

Simplesmente lindas as suas palavras! É muito bom saber que alguém ama seu animal de todo coração.
Sou veterinária e amante dos animais. Sofro mais que tudo pois vejo que as pessoas ainda tratam o animais como objeto e não como um ser vivo que merece respeito.
Luto todos os dias para que esta situação mude!
Um grande beijo no seu coração!

A vida é uma arte disse...

Muito lindo o texto que você escreveu.
Hoje no meu blog, postei algo sobre o anjo de quatro pernas, que tanto nos ajuda.
Parabéns pelo blog.
Bj e bom domingo Nicinha

O encantador de cães disse...

Olá pessoal, gostei muito desse blog, e acho que tem tudo haver com os livros do Cesar Millan:"O encantador de cães" e "Cães educados, donos felizes",gostaria muito de recomanda-lo pras todos vocês, pois quem gosta de cães concerteza irá gostar desses dois livros!Se alguem ler, por favor me fala o que achou, concerteza irá gostar muito.

Gerusa disse...

E muito bom ter o chamego deles, os meus so ficam na minha cama. brigam ate pelo o traviseiro.

Seu nick e fofo. parabens.
Gerusa